Após enchente, Secretaria de Saúde, intensifica campanha contra leptospirose

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

O tratamento da leptospirose é feito por meio de antibióticos que combatem a proliferação da bactéria dentro do indivíduo infectado pela doença.

Muito comum no verão devido aos períodos de chuvas e enchentes a leptospirose é uma doença infecciosa febril que é contraída em exposição direta ou indireta a urina de animais (principalmente ratos) infectados pela bactéria Leptospira. É preciso ter atenção redobrada com a limpeza da casa, do bairro isso porque a leptospirose é uma doença infecciosa transmitida para pessoas por meio da urina e excrementos de animais infectados, como ratos de esgoto, cães e gatos.

Essa bactéria costuma penetrar no organismo através de feridas ou mucosas na pele, após o contato com água contaminada em enchentes, poças ou solo úmido, e se dissemina através da corrente sanguínea, provocando sintomas como febre, calafrios, olhos avermelhados, dor de cabeça e náuseas.  Apesar da maioria dos casos provocarem sintomas mais brandos, em algumas situações podem evoluir com complicações mais graves, como hemorragias, insuficiência renal ou meningite, por exemplo. Por isso, ao menor sinal, procure ajuda médica para detectar e tratar o mais rápido possível.

Em Mariana, devido o cenário de enchentes nos últimos dias, a prefeitura por meio da Secretaria de Saúde tem intensificado em torno dos cuidados e atenção das pessoas que tiveram contato direto com as águas das enchentes e/ou lama, assim como as pessoas que tiveram suas casas invadidas pelas inundações. Segundo o secretário de saúde, Danilo Brito, não há em Mariana, até o momento, nenhum caso ou suspeita de infectados pela doença e pede atenção à todos aos sintomas. “O principal sintoma nos quadros brandos são olhos e pele amarelados. A urina também sai escura e em menor quantidade e surgem febre e dor muscular, especialmente nas panturrilhas e nas pernas”, relata

Em épocas de chuva, mais do que em outras épocas do ano, o cuidado deve ser redobrado. Para se proteger da Leptospirose e evitar a contaminação, deve-se evitar estar em contato com águas contaminadas, como enchentes, lama, rios com água parada e piscina não tratada devidamente com cloro. 

Em locais de maior risco, procure lavar e desinfetar a casa sempre com água sanitária ou cloro. Tudo o que tiver entrado em contato com a água da enchente, se precisar, bem como móveis, caixa d’água, etc. Além disso, não se alimente com enlatados que tenham entrado em contato com a água contaminada. Outras medidas como ferver água para consumo e para confeccionar alimentos, colocando duas gotas de água sanitária em cada litro de água, pode impedir as chances de contágio.

O tratamento da leptospirose é feito por meio de antibióticos que combatem a proliferação da bactéria dentro do indivíduo infectado pela doença. Alguns medicamentos de uso comum, como o ácido acetilsalicílico, devem ser evitados porque aumentam o risco de complicações da leptospirose. As orientações médicas devem ser seguidas e o paciente deve manter-se bem hidratado durante todo o período de tratamento da leptospirose.

Por fim, procure eliminar todos os pontos de acumulo de água após as enchentes e procure não acumular lixo em casa. Coloque-os em sacos fechados e deixe-os longe do chão para evitar proliferação de ratos, baratas e outros vetores de doenças.