Pelo menos quatro casos de ‘Flurona’ são confirmados no Brasil

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

País já contabiliza casos da dupla infecção pelos vírus que causam a gripe e a Covid-19.

Como se não bastasse os dois últimos anos vividos em meio a uma pandemia que assolou o planeta e deixou mais de 600 mil mortos no Brasil, o país agora vive uma nova preocupação no enfrentamento à Covid-19: desta vez, aparecem casos de associação do coronavírus ao H3N2, subtipo da Influenza, no que ficou conhecido como Flurona. Até o momento, foram quatro notificados em solo tupiniquim, número que deve aumentar muito em breve.

Três desses casos de “flurona” foram registrados no Ceará. Segundo a Secretaria da Saúde do Estado nordestino, os diagnosticados são dois bebês de um ano e um homem de 52 anos. Os três já receberam alta. 

Um adolescente de 16 anos foi o primeiro infectado no Rio de Janeiro. A informação foi divulgada pela TV Globo. Ele começou a ter sintomas no últim o dia 29, quando foi submetido a testes das duas síndromes gripais, sendo que ambos deram positivo. 

A mãe do adolescente disse que ele já havia sido vacinado tanto contra Covid-19 quanto contra a gripe. “Ele está bem, mas pode acontecer. Por isso, cuidem-se porque os dois vírus podem existir no nosso organismo ao mesmo tempo”, afirmou. 

Ainda não se sabe se a combinação das duas doenças causa uma infeccão mais grave. “Não há dados suficientes para fazer uma análise. Para outros vírus, algumas associações podem ser prejudiciais. Mas, para o influenza e a Covid-19 isso não está claro”, afirmou o médico Bernardo Montesanti.  O infectologista Leonardo Weissmann também reforçou que não é possível saber se a coinfecção eleva a gravidade do quadro do paciente. “Tanto a Covid-19 quanto a influenza são doenças respiratórias, porém a chamada flurona é muito nova e não sabemos se a combinação dos dois vírus causa doenças mais graves.”

Por enquanto, o Estado de Minas Gerais não confirmou nenhum paciente com a coinfecção por gripe e Covid. No entanto, três são investigados, todos eles em Juiz de Fora. A prefeitura não deu detalhes sobre estado de saúde e perfil das pessoas que estão sendo acompanhadas.

A principal epidemiologista da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, citou que, com mais pessoas aglomeradas, haverá mais probabilidade de ocorrência de gripe e Covid simultaneamente, a chamada “flurona”. “Vacine-se (para Covid-19 e gripe), continue aderindo às medidas de saúde pública (máscara, distanciamento, etc)”, destacou.

As orientações para evitar qualquer doença respiratória são as mesmas, como lavar as mãos com água e sabão ou usar álcool em gel, utilizar lenço descartável para higiene nasal, utilizar máscara, não compartilhar objetos de uso pessoal, manter os ambientes bem ventilados e evitar aglomerações. Estar vacinado também é recomendado.