UFOP realiza entrevista sobre câncer de próstata sem preconceito

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Professor da UFOP fala sobre a importância do exame e da campanha que buscar levar informações sobre a doença.

O câncer de próstata é o tipo de câncer que mais atinge homens no Brasil, representando 30% dos casos. Mesmo assim, os debates sobre essa doença sempre são marcados por tabus, que muitas vezes são baseados em mitos que atrapalham a difusão de informações sobre a importância da prevenção.


Nesse sentido, a campanha Novembro Azul vem para alertar os homens sobre a urgência do diálogo sobre o câncer de próstata e para “incentivar que o homem tenha um médico urologista de confiança, para acompanhá-lo anualmente e, assim, garantir os exames em dia”, como destaca o professor Luiz Eduardo de Sousa. Luiz Eduardo é professor adjunto do Departamento de Ciências Biológicas (Debio) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Possui doutorado em Ciências Biológicas pela UFOP e mestrado em Saúde pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Luiz Eduardo fala da importância da campanha em novembro. “O Novembro Azul é importante, pois funciona como um lembrete para os homens se atentarem à prevenção e ao tratamento do câncer de próstata. Assim como os outros meses relacionados a doenças, novembro reforça a importância das práticas de prevenção, além de pressionar a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), fazendo com que ela regularize os planos de saúde privados, para que cubram os exames preventivos, o tratamento e a reabilitação pós-cirurgia ou a prostatectomia, que é o processo de retirada da próstata. Também, o mês de novembro incentiva que o homem tenha um médico urologista de confiança para acompanhá-lo anualmente e, assim, garantir os exames em dia”.

Segundo Luiz ainda existe muita dificuldade em falar sobre o câncer de próstata. “No projeto de extensão Educanato, nós atendemos diversos homens de Ouro Preto, e alguns realmente apresentavam uma dificuldade ou timidez para falar sobre o problema. Quando o homem pensa sobre o toque retal, não raramente surgem preconceitos e brincadeiras, o que faz com que se negue a fazer o exame. Então, infelizmente, ainda existe esse tabu para uma parcela da população masculina, e ele é fruto do desconhecimento sobre os exames relacionados ao rastreio do câncer de próstata”.
Confira a entrevista na íntegra no site: https://ufop.br/noticias/em-d