Rotaract Club: 4ª edição da semana de valorização da cultura afro

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

O Projeto surgiu pela necessidade de ressignificar o 13 de maio, data da assinatura da lei áurea.

O Rotaract Club de Mariana desenvolve, entre os dias 11 e 17 de outubro, a quarta edição do projeto Semana de Valorização da Cultura Afro. O clube visa promover novas narrativas a respeito da percepção da comunidade acerca da pretitude por meio do tema “Música Afro-brasileira como Símbolo de Resistência”, desenvolvendo ações e sensibilizações com o objetivo de debater diferentes vertentes de aspectos culturais de uma parte da nossa história.

“Adiantamos que nesta edição da Semana de Valorização da Cultura Afro trazemos a musicalidade negra como instrumento de denúncias e de anúncios, de saberes e de afetos, de RESISTÊNCIA contra os apagamentos da produção e das vivências do povo negro. Acreditamos que a música afro-brasileira é um importante agente para o resgate da identidade e da história silenciada e marginalizada por anos”.

O projeto é aberto para todos os públicos. Em sua IV edição, o projeto trará um Cine Debate sobre o filme “Amarelo – É Tudo Pra Ontem”, oficinas temáticas, homenagem ao Mestre Damião, e muito mais. Para mais informações, entre em contato por meio dos canais de comunicação do Rotaract Club de Mariana (Instagram @rotaractclubmariana e Facebook).

Nesta edição da Semana de Valorização da Cultura Afro traz a musicalidade negra como instrumento de denúncias e de anúncios, de saberes e de afetos, de RESISTÊNCIA contra os apagamentos da produção e das vivências do povo negro. Propondo a música afro-brasileira como um agente importante para o resgate da identidade e da história silenciada e marginalizada por anos.

O Projeto “A Semana de Valorização da Cultura Afro” surgiu pela necessidade de ressignificar o 13 de maio, data da assinatura da lei áurea, a abolição da escravatura, data em que o mérito é voltado para uma figura que não representa a luta pela liberdade negra. “Notamos que grande parte da população marianense é preta e/ou descende de africanos escravizados, o que intensifica a importância de recontar a história, dando o protagonismo aos verdadeiros responsáveis pelo fim de um sistema escravista”.            

Além disso, o projeto visa valorizar em diferentes escalas a cultura afro-brasileira, entendendo melhor as origens de um processo cultural brasileiro, onde é encontrada sua raiz no continente africano. Com diversas atividades programadas durante uma semana, o Rotaract busca trazer rodas de conversas, palestras, sensibilizações, oficinas e ações diversas.