Arthur Lira diz que ICMS é primo malvado na questão dos combustíveis

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Lira disse que uma contabilização do valor da gasolina, por exemplo, deve ser contabilizada nos últimos dois anos para que se ache um valor que permitirá que o ad rem fique fixo por um ano.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou na noite desta terça-feira (5) que ainda está em discussão na Casa um modelo que pode culminar com redução do preço final dos combustíveis.

.

Lira disse que uma contabilização do valor da gasolina, por exemplo, deve ser contabilizada nos últimos dois anos para que se ache um valor que permitirá que o ad rem fique fixo por um ano. Neste ano, por exemplo, o cálculo pode ser feito com base nos valores de 2019 e 2020. Para 2022, os valores analisados serão dos anos 2020 e 2021 e assim sucessivamente.

.

“Se o ad rem do governo federal está congelado desde 2004, quase 17 anos, porque não fazemos uma média dos dois exercícios anteriores para que se faça uma contabilização de quanto custa a gasolina em 2019 e 2020 e se acha um valor. A este valor se imprime o ad rem e ele fica fixo por um ano e multiplica sem interferência nenhuma pelo imposto estadual que cada governador escolher como alíquota. Por exemplo, em São Paulo é 25%, Rio de Janeiro, 34%, e Alagoas, 29% e assim sucessivamente”, afirmou o presidente da Câmara.

.

Com essa medida, Lira diz que o preço final dos combustíveis pode ficar 8% mais barato. “Assim vai se encontrar um preço de gasolina 8% mais barato, de álcool, 7% e óleo diesel, 3,7% mais barato”, afirmou Lira.

.

O presidente da Câmara dos Deputados disse que a medida que deverá compor texto da proposta a ser votada na próxima semana não tem como meta criar crises com governadores, já que envolve alterações no ICMS, imposto estadual.

.

“O problema que estamos analisando é que os aumentos que são dados nos combustíveis pelo petróleo e dólar, o ICMS é um primo malvado. Ele contribuiu e muito para aumento dos combustíveis de forma geométrica. Quando pegamos, por exemplo, o estado de São Paulo com a gasolina tipo A na bomba a R$ 2,83, e quando o imposto ad rem fixo do governo federal é R$ 0,89 e o imposto estadual é R$ 1,98. Basta somar R$ 1,98 com R$ 0,89 e dá R$ 2,87. Portanto, mais caro que o litro de gasolina na refinaria.  Se você faz uma regra de três clara, esse ICMS custa 70% do preço da gasolina na refinaria, porque vem sendo somado em todos os encargos. Então, os valores são fixos, mas os aumentos sucessivos pela pressão do dólar e do petróleo faz com que, neste momento, o ICMS precise ter um tratamento mais calmo, tranquilo”, disse Lira. 

. Fonte: https://www.otempo.com.br/politica/congresso/icms-e-primo-malvado-na-questao-dos-combustiveis-diz-arthur-lira-1.2551721