Governador discute compensação para tragédia da Samarco em Mariana

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Governadores de Minas se reuniu com o presidente do Senado para discutir possível acordo semelhante ao de Brumadinho.

O Governador de Minas, Romeu Zema (Novo), se reuniu na manhã do último dia 24 com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), no Distrito Federal, para tratar de possível acordo sobre a tragédia socioambiental ocorrida em Mariana, na Região Central do estado, em 5 de novembro de 2015, quando uma barragem de rejeitos minerais da mineradora Samarco se rompeu e causou, além de imensurável dano ambiental até o Espírito Santo, a dor irreparável com a morte de 19 pessoas.

            A ideia é criar um pacto semelhante ao fechado em fevereiro deste ano em relação à outra tragédia socioambiental envolvendo mineração: a de Brumadinho, também na Região Central. Em 25 de janeiro de 2019, uma barragem da empresa Vale se rompeu e provocou 270 mortes (9 corpos seguem desaparecidos), além de grandes danos ao meio ambiente. O “acordo da Vale” prevê R$ 37,68 bilhões para reparação em cidades de todas as regiões de Minas. Nenhuma reparação nesse sentido ocorreu em relação à tragédia causada pela Samarco em Mariana.

            Rodrigo Pacheco disse que um acordo não passa pelo Senado diretamente, mas salientou o apoio à causa do governador. O senador também disse que o governador precisa se reunir agora com a União, o Ministério Público e o Judiciário para costurar uma reparação em comum, tendo como inspiração Brumadinho. “O estado, por meio de suas advocacias-gerais, devem se sentar à mesa com representantes da União, dos ministérios públicos e do Judiciário para chegar a um bom termo relativo à indenização” afirmou o parlamentar após o encontro.

            “Não vamos ter a superação da perda de vidas, dos impactos na bacia ao longo do Rio Doce, porque com isso nós vamos conviver para sempre. Mas, ainda neste ano, é preciso dar uma solução devida a isso. É preciso uma grande conciliação. Embora o Senado não participe como sujeito, é nosso dever, como Casa democrática e de representação dos estados da Federação, dar condições para que esse acordo aconteça. Podem contar comigo”, completou Pacheco.