SEBRAE: marketing digital salvou metade dos pequenos negócios em MG

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Pesquisa do Sebrae aponta que um em cada dez microempreendedores mineiros abandonou o meio físico.

O investimento dos microempreendedores mineiros no marketing digital foi acelerado pela pandemia. Uma estratégia usada para acompanhar a mudança de comportamento dos consumidores e aumentar o lucro. Em 50% dos casos, a sobrevivência do negócio só foi possível graças à atuação na internet, como mostra a pesquisa Marketing Digital nos Pequenos Negócios, do Sebrae. O levantamento ouviu 1.160 donos de pequenas empresas, entre os dias 8 e 20 de maio deste ano.

Um a cada dez microempresários entrevistados abandonaram completamente o negócio físico e passaram a trabalhar apenas com a internet. A analista da Unidade de Inovação e Competitividade do Sebrae, Carla Goob, explica que esse movimento é uma via de mão dupla, “é importante a gente pensar que o processo também aconteceu com o cliente. Muitas pessoas que não tinham feito uma compra online fizeram pela primeira vez na pandemia. E esse comportamento vai permanecer. Não tem mais como as empresas fugirem da digitalização, que oferece novas possibilidades para as empresas”, analisa. 

A pesquisa mostrou que 43% dos empreendedores já divulgavam produtos na internet, e 38% faziam vendas online. Após o inicio da pandemia, 20% começaram a fazer divulgação pela internet, e 38% começaram a vender na web. Entre os que já usavam a rede, 43% afirmaram ter aumentado as vendas durante a pandemia.

Essa transformação não é uma simples reprodução do meio físico no meio virtual. O processo exige estratégia, capacitação e tempo. Apenas 33% dos entrevistados afirmaram não ter dificuldade com marketing digital. As maiores limitações citadas na pesquisa são relacionadas à estratégia de divulgação nas redes, “muitas pessoas, empresas que começam a usar o marketing digital acreditam que é suficiente conhecer as ferramentas, mas não é. Mais do que isso, é importante saber usar de forma estratégica. Cada plataforma se comporta de uma maneira, e é essencial ter esse entendimento para ter uma comunicação assertiva. O primeiro passo é se capacitar“, diz Carla Goob.