Preso em Portugal, Jorge Egito poderá ser extraditado em 15 dias

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Segundo advogado, investigado saiu do Brasil há quatro meses, quando investigações começaram.

Mineiro de 31 anos, Jorge Moreira do Egito morador de Mariana, era foragido da Justiça após investigações da Polícia Civil mineira apontarem casos de estelionato e outros crimes na primaz de Minas.

A prisão aconteceu em Portugal na última sexta-feira (2) e segundo advogado do investidor, Cristiano Henrique de Oliveira, seu cliente foi preso em um hotel. “Na sexta-feira, um parente entrou em contato comigo e  a advogada que representa ele lá também entrou em contato falando que ele foi preso em um hotel de Porto. Ela acredita que o Jorge será extraditado, no máximo, em 15 dias”, explicou o defensor. 

As investigações começaram há quatro meses e, logo, o investigado foi para Portugal afirmando que teria saído do país devido às ameaças de um político de Mariana. “O argumento da autoridade policial é que teria ocorrido o crime de estelionato por mais de 15 oportunidades, lavagem de dinheiro e falsificação de documentos, o que ainda não apareceu de forma bem clara no processo. A maioria das transações que foram apresentadas foram recolhidos mais de R$ 3 milhões em impostos e não apareceu nenhum documento que teria sido, em tese, falsificado seja público ou particular”, detalhou o advogado.            

Jorge é, ainda conforme a defesa, empresário e investidor na bolsa de valores. Diante disso, as pessoas teriam investido e, em determinado momento, ele não teria repassado os valores , conforme o advogado. “Agora é esperar que ele chegue ao Brasil e vou solicitar que, ao menos neste momento, que ele fique em uma cela separada, no ‘seguro’ em razão das ameaças que ele vinha sofrendo. Ele já denunciou essas ameaças ao Ministério Público. Casos como o do Jorge, eu não acredito que vá conseguir provar, no final das investigações, a lavagem de dinheiro ou a falsificação de documentos. Quando muito, vamos analisar o estelionato em um momento posterior”, finalizou Cristiano.