Materiais em braile para a educação inclusiva foram entregues ao município

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

As salas são equipadas com materiais adequados e adaptados que contribuem para o atendimento educacional especializado.

Objetivando o atendimento das especificidades de cada aluno, a prefeitura de Mariana, por meio da secretaria municipal de educação, em parceria com o Instituto São Rafael de Belo Horizonte, recebeu dois volumes do Plano de Ensino Tutorado (PET) que contém materiais em braile para o aluno Caio Martins Marcossi, do 8° ano do ensino fundamental do Centro de Educação Municipal Padre Avelar – CEMPA.

Os materiais em braile são produzidos no Instituto São Rafael, que há mais de 94 anos é referência em atendimento especializado à pessoas com vários tipos de deficiência visual. O Instituto acolhe todos os pedidos de suporte na área de atendimento às pessoas cegas ou deficientes visuais, principalmente referente a processos de aprendizagem, e também funciona como um dos Centros de Apoio Pedagógico às Pessoas com Deficiência Visual (CAP) do Estado, conforme a Resolução SEE Nº2897, de janeiro de 2016.

O CAP é dividido em três núcleos. O de Produção de Tecnologia Assistiva desenvolve ações na produção de livros ampliados, de materiais em relevo, em braile, em áudio e em Mecdaisy (tecnologia interativa para produção de livros digitais) para alunos incluídos no ensino comum.  “Tendo em vista sempre um trabalho que colabore com o processo de ensino e aprendizagem dos alunos públicos da educação especial, a rede municipal de Mariana conta também com seis salas de recursos para atendimento desses alunos sempre no contraturno. Nessas salas, atuam professores especializados que, a partir de ações planejadas, promovem intervenções que respeitam o tempo, as especificidades e as habilidades de cada estudante” explicou a secretaria de educação.

As salas são equipadas com materiais adequados e adaptados com alguns equipamentos eletrônicos, mobiliários, materiais pedagógicos e de acessibilidade que contribuem para o atendimento educacional especializado. As atividades realizadas nas salas de recursos têm a finalidade de complementar casos de alunos com deficiência, Transtorno do Espectro Autista (TEA) e suplementar, o aprendizado de altas habilidades, como a superdotação. Portanto, constituem-se em espaços de apoio à sala de aula comum, para que se ofereça meios e modos que efetive o real aprendizado dos estudantes. “No contexto pandêmico que vivenciamos, os professores do Atendimento Educacional Especializado realizam um trabalho colaborativo junto aos professores regentes objetivando a adequação/adaptação dos PETs e atividades complementares de acordo com as especificidades de cada aluno, sempre pautando nas potencialidades apresentadas por eles” finalizou.