Cento e setenta policiais civis, recusaram vacina contra a Covid-19 em MG

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

A declaração do delegado foi dada nesta segunda-feira (28) em audiência do Assembleia Fiscaliza, quando deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais recebem responsáveis por secretarias e órgãos do governo para apresentarem um balanço das atividades por semestre.

De acordo com o chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Joaquim Francisco Neto e Silva, 170 servidores da corporação não aceitaram ser vacinados contra a Covid-19. O número, que não foi detalhado, contemplaria delegados e outros servidores, como escrivães, peritos e outros.

.

A declaração do delegado foi dada nesta segunda-feira (28) em audiência do Assembleia Fiscaliza, quando deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais recebem responsáveis por secretarias e órgãos do governo para apresentarem um balanço das atividades por semestre.

.

O delegado afirmou que dados atualizados na noite desse domingo (27) apontam que 81,6% dos servidores da corporação foram vacinados. Em 115 municípios, 100% dos policiais e servidores já foram imunizados. “Para se ter uma ideia, relativamente, um total de servidores já vacinados da Polícia Civil foram 9.198 servidores, sendo que 170 não quiseram vacinar. Nos restam para serem vacinados, 1.952 servidores”, afirmou.

.

Joaquim Francisco Neto e Silva afirmou aos deputados que a Polícia Civil acompanha de forma cotidiana o avanço da vacinação no Estado para alcançar a plenitude da imunização de seus profissionais.  Pelos dados apresentados pelo chefe da Polícia Civil, a corporação tem hoje 9.963 policiais civis em atividade e 1.187 servidores administrativos.

.

O número de servidores que rejeitaram a vacina é semelhante ao do Corpo de Bombeiros. De acordo com o coronel Edgard Estevo da Silva, comandante da corporação, pelo menos 142 bombeiros rejeitaram a vacina. Outros 152 ainda não foram imunizados por motivos diversos, seja uma recusa que ainda não foi identificada pelos comandantes, problemas de saúde, afastamento ou por terem tomado a vacina da gripe e esperam a janela de imunização.

.

Anteriormente, o coronel Rodrigo Sousa, comandante geral da Polícia Militar, disse que 89,1% dos militares receberam a primeira dose, enquanto 24% receberam a imunização de forma completa.

.

Fonte: https://www.otempo.com.br/politica/em-minas-170-policiais-civis-recusaram-vacina-contra-a-covid-19-1.2505399