Preto do Cabanas afirma ter sido pressionado para retirada de requerimento

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

A Câmara Municipal de Mariana realizou, no último dia 20 a 1ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

A 1ª Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que irá investigar e apurar contratos de empreiteiras que prestam serviços ao município de Mariana foi realizada no dia 26 de maio.

Integrantes da Comissão, Pedrinho Salete, José Sales e Marcelo Macedo, presidiram a reunião com a presença do informante, o vereador Manoel Douglas.

Com a intenção de inicialmente esclarecer os fatos para então dar início às investigações, o presidente da Comissão, Pedrinho Salete, realizou algumas perguntas ao edil Manoel a fim de obter esclarecimentos sobre as apurações feitas pelo mesmo envolvendo as irregularidades de pagamentos realizados às empreiteiras. O vereador Marcelo Macedo também questionou o vereador Manoel Douglas sobre a pressão sofrida e relatada pelo mesmo em plenário, onde o mesmo afirmou ter participado de uma reunião realizada no gabinete do prefeito onde o requerimento em questão havia sido mencionado. “Na verdade naquele momento eu entendi que ele queria dar acesso livre para que mandasse o ofício para talvez evitar desgaste com a Câmara e por isso eu relatei que o prefeito preferia me responder via ofício, e em algum momento deu a entender que as empresas estavam preocupadas. E se não estivessem preocupados não estariam procurando e não aconteceriam todos os fatos que já foram relatados. O prefeito mostrou que não estava preocupado, a preocupação que percebi foi demonstrada com a gestão anterior e o dono da empresa” relatou.

Questionado pelo edil Pedrinho Salete se houve o pedido para que fosse retirado o requerimento para abertura da CPI, o vereador Manoel é categórico e responde que sim. “Sim. Acho que quando ele cita que responderá via ofício, certamente seria para a retirada do requerimento” afirma vereador Manoel Douglas.

Quando perguntado pelo vereador José Sales, se houve ameaça por parte do executivo e pelos responsáveis pelas empresas em questão, o edil responde “não posso dizer que pressão direta de alguém, mas quando pessoas do Governo me procura, e quando a gente vê como foi relatado das empresas querendo pressionar os vereadores, foi um pouco de pressão sim. Que foi da empresa GMP que protocolou aqui nessa Casa e os vereadores que assinaram a CPI que me causou muita estranheza nesse momento. Então alguns atos eu considero com uma forma de querer me intimidar como foi o protocolo citado da GMP”.

O vereador Marcelo Macedo, não convencido com a explicação sobre a pressão sofrida pelo vereador Manoel, pediu que o edil fosse mais claro quanto as ameaças e pressões sofridas. “Houve pessoas ligadas ao governo tentando intimidar vossa excelência?” perguntou Macedo. Preto por sua vez explicou que “eu solicitei o primeiro requerimento e em seguida tiveram pessoas que me procuraram, inclusive o vereador Tikim (Gilberto Mateus) e o vereador Pedrinho, que também esteve no meu gabinete. Isso já foi citado na comissão mas nenhum momento teve questão de ameaça. Mas como o Senhor vice-presidente está querendo saber para entender melhor, no dia 16 de março eu fui procurado pelo vereador Pedrinho e pelo vereador Tikin. Os dois estiveram no meu gabinete para falar sobre essa situação. Não digo que eles estavam defendendo a empresa, eu entendi a situação, que parece que no entendimento deles eu queria prejudicar a empresa”. O vereador Manoel não deixa claro se a pergunta feita por Marcelo e citada por ele como resposta, acusa os vereadores Pedrinho Salete e Tikim Mateus, como as pessoas que o estariam pressionando.

A notícia da reunião realizada entre o denunciante e o presidente nomeado para CPI, Pedrinho Salete, causou grande repercussão nas redes sociais, onde formadores de opinião na cidade questionam a permanência do mesmo na CPI.

Nossa equipe de reportagem ouviu as partes envolvidas. O presidente da Câmara, Ronaldo Bento, afirmou que não tinha conhecimento dos nomes das pessoas que participaram dessa reunião e que espera que os membros da CPI averiguem o caso. Pedrinho Salete afirmou que a reunião realizada no gabinete não tinha relação com a empresa investigada e que o encontro com o dono da empreiteira foi coincidência. O procurador da Câmara, Corjesus Quirino, também foi procurado para um parecer jurídico da Câmara, mas até o fechamento desta edição não obtivemos retorno. Os vereadores Tikim e Pedrinho Salete negaram conversa no teor de ameaça com Manoel Douglas. O prefeito interino, Juliano Duarte não deu retorno aos questionamentos feitos por nossa redação. O proprietário da empresa mencionada e investigada, GMP, não deu retorno às ligações.

No fechamento da edição, o vereador Preto do Cabanas, confirmou que os nomes citados são os mesmo que estão na ocorrência policial e no que foi encaminhado para o Ministério Público.