Minas Gerais suspende vacinação em grávidas sem comorbidades

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Calafrios, sensação febril e dor de cabeça são consideradas muito comuns pela bula da vacina.

Na última terça-feira (11) foi suspensa a aplicação da vacina contra Covid-19 produzida pela Astrazeneca em gestantes devido ao registro da morte de uma grávida por acidente vascular cerebral (AVC) depois de tomar a vacina. A ocorrência é investigada pelo Ministério da Saúde e pode não ter qualquer relação com o imunizante. Ainda assim, a bula da vacina traz uma série de possíveis efeitos colaterais da vacinação, como dor no corpo, calafrios, dor de cabeça e sensação febril, que são considerados muito comuns e que, na avaliação da própria bula, não devem preocupar a não ser que persistam por mais dias. Vacinadas um dia antes da suspensão do uso do imunizante, gestantes relatam o que sentiram depois de receber a dose. 

Sendo assim, os 853 municípios mineiros foram orientados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), na tarde desta quarta-feira (12), a suspender a vacinação contra a Covid-19 nas grávidas sem comorbidades. A partir de agora, somente as gestantes com doenças preexistentes devem ser imunizadas no Estado. E, mesmo assim, apenas com a Pfizer ou a Coronavac. Vale lembrar que por exigir refrigeração especial, todas as doses da Pfizer que chegaram em Minas foram destinadas para Belo Horizonte. Já a Coronavac está escassa em todo o território brasileiro, inclusive com atraso para aplicação da segunda dose em idosos. Na capital, por determinação da prefeitura, a suspensão da vacinação nas grávidas sem comorbidades já está em vigor desde as primeiras horas desta quarta. No município, a imunização das gestantes doentes prossegue com doses da Pfizer.            

O presidente da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), Agnaldo Lopes, alerta que as reações mais comuns descritas na bula da vacina não devem ser motivo de preocupação, a não ser que persistam — como uma dor de cabeça que estenda por dias. Ele também pontua que qualquer medicamento ou imunizante traz o risco de efeitos colaterais. “Mesmo que a relação entre a vacina e o óbito seja aprovada, seria um evento grave, mas raro. A grande maioria das gestantes não vai ter isso, então a primeira questão é tranquilizar quem já tomou a vacina.  Aplicamos o imunizante em milhões de pessoas que estão saudáveis, então qualquer dor de cabeça, qualquer problema, é interpretado como malefício por elas”, diz.    

Cerca de 15 mil gestantes receberam a primeira dose da Astrazeneca no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde. Ao mesmo tempo, só em Minas Gerais, os dados mais atuais da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), informam que, até o dia 5 de maio, 61 gestantes morreram por Covid-19, 45 delas em 2021.