Governador anuncia repasse de R$ 46 milhões para financiamento de UTI

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Valor, que representa o dobro dos últimos meses, foi comunicado pelo governador em reunião com prefeitos.

Como forma de intensificar as ações de combate à pandemia em Minas Gerais, o governador Romeu Zema anunciou, no ultimo dia 20, o repasse de R$ 46 milhões para financiamento de leitos de UTI no mês de abril. A média mensal dos últimos meses foi de R$ 21 milhões, somando leitos de UTI para pacientes com covid-19, leitos de UTI de outras destinações que também têm sido utilizados no tratamento de infectados pela doença e leitos de enfermaria.


O financiamento foi comunicado durante reunião com prefeitos das cidades que possuem mais de 100 mil habitantes, consideradas “cidades-polo”, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.     “Nos últimos meses, gastamos pelo menos R$ 21 milhões mensais com essa destinação. Com o agravamento da pandemia, esse valor está chegando a R$ 46 milhões em abril. O Estado está aqui para devolver para a população aquilo que ela paga com tanto sacrifício a título de impostos. Estamos fazendo tudo o que é possível, queremos ajudar no que estiver ao nosso alcance”, afirmou o governador.
Zema também reafirmou o compromisso de manter o diálogo com os municípios, para entender as principais necessidades locais neste momento.

“Quero lembrar que estamos no mesmo barco, juntos. Sabemos que não adianta fazer só a nossa parte, neste momento é preciso ajudar os municípios. No passado, as prefeituras não recebiam 100% dos repasses que tinham direito. Hoje, recebem 100% e têm o adicional do parcelamento que fizemos, no valor de R$ 7,2 bilhões”, afirmou, referindo-se ao acordo firmado entre o Executivo estadual e a Associação Mineira de Municípios (AMM) para regularização de repasses do ICMS, do IPVA e do Fundeb, em atraso desde 2017.

Entre os assuntos discutidos no encontro estão a reposição de insumos para os hospitais, os recursos no enfrentamento da pandemia, os recursos e dívidas relacionados à Saúde, a vacinação e o auxílio emergencial.