Professores temem retorno presencial mesmo após vacina

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

De acordo com o Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro-MG), o retorno às aulas vai além da vacina

Professores da rede pública de ensino do Estado de Minas Gerais incluídos no Plano Nacional de Imunização (PNI) do governo federal ressaltam a preocupação de retorno às aulas presenciais diante do agravamento da pandemia de COVID-19.

Romeu Zema (Novo), governador de Minas Gerais pediu ao Ministério da Educação para adiantar a imunização da comunidade escolar e, assim, ter o quanto antes a volta às aulas em todo estado. Justificando a importância da inclusão de professores e demais trabalhadores da Educação, Zema pontuou como prioridade na vacinação, para que ocorra a volta gradual das aulas presenciais “as aulas presenciais são um pilar no desenvolvimento intelectual, social e emocional dos estudantes. A vacinação da comunidade escolar reforçaria as ações implementadas no Estado para a garantia de um retorno seguro da atividade educacional”, explicou.

 O Ministério da Educação, porém, informou que o grupo já estava incluído no PNI desde março, a pedido do próprio MEC. Nesta terça-feira (13/4), o governador voltou a falar do assunto e reforçou em suas redes sociais, que solicitou para que adiantassem a demanda para um breve retorno às aulas. 

 De acordo com o Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais (Sinpro-MG), o retorno às aulas vai além da vacina. “A vacinação é um ponto-chave para o retorno seguro, mas o que pesa neste momento é que o vírus tem atingido cada vez mais em jovens, e os estudantes também estarão em risco. Ainda assim, mesmo após a vacinação, é necessário que se cumpram os protocolos sanitários, como defendem as autoridades. A escola têm que assumir esses protocolos, como fornecimento de Equipamento de Proteção Individual (EPI), testagem de alunos, distanciamento. Tudo isso ainda precisa ser observado pelos órgãos de saúde”, destacou o sindicato.

E essa também é a preocupação de muitos professores da rede pública de ensino e alegam receber o imunizante, não é o suficiente.