Abaixo assinado de professores da UFMG pede lockdown em BH

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Os professores defendem que nos locais em que houve controle da pandemia o lockdown foi adotado.

O Sindicato dos Professores de Universidades Federais de Belo Horizonte, Montes Claros e Ouro Branco (APUBH UFMG+) elaborou abaixo-assinado para ser entregue ao prefeito Alexandre Kalil (PSD) pedindo decreto de lockdown de 21 dias na capital.

De acordo com o abaixo-assinado, a medida deve ser adotada “devido ao aumento sem precedentes no número de casos e de mortes por COVID e ao colapso do sistema de saúde, falta de medicamentos, de leitos, de respiradores, de oxigênio, ao esgotamento da capacidade dos serviços funerários”. 

O documento será encaminhado ao prefeito da capital pela presidente do APUBH UFMG, professora Maria Rosaria Barbato, pela primeira suplente da diretoria, professora Solange Cervinho Bicalho Godoy, e pela docente da UFMG e filiada ao sindicato, professora Andrea Mara Macedo, entre outros filiados ao APUBH. 

Segundo Maria Rosaria Barbato, “o objetivo do abaixo-assinado é tentar enfrentar seriamente a pandemia que alcançou um nível inaceitável, onde estamos à beira de 400 mil mortes nesse país, com colapso no sistema de saúde e vacinação muito lenta. A gente precisa ter responsabilidade nesse momento que o o Governo Federal é omisso completamente, violando preceitos fundamentais de defesa da vida e saúde da população “, disse. 

A presidente disse ainda que não há outra alternativa a não ser solicitar ao prefeito Alexandre Kalil o lockdown mais rigoroso. “Nós estamos pedindo uma limitação e uma fiscalização mais rigorosa. As pessoas precisam ficar em casa”, ressaltou. 

Para ela, a PBH tem de comprar mais vacinas e pedir a autorização à Anvisa para o uso emergencial dos imunizantes. “É um momento trágico e muito difícil. Estamos todos cansados, adoecidos. Nós queremos sair logo dessa situação e para isso nós precisamos ter muita responsabilidade. E nós estamos dispostos a isso!”, concluiu.