Minas Gerais deve permanecer na onda roxa até a Páscoa

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

RESTRIÇÕES: Medida preventiva mais restritiva permanece obrigatória até domingo de páscoa

Na última quarta-feira (24) aconteceu a reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar o avanço da pandemia no estado. Durante essa reunião, ficou determinado que todas as macrorregiões de Minas Gerais deverão permanecer na onda roxa até o fim da Semana Santa, em 4 de abril. Todas as macrorregiões de Minas Gerais permanecerão na onda roxa até o fim da Semana Santa, em 4 de abril. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (24/3) durante reunião do Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar o avanço da pandemia no estado.
A manutenção das medidas mais restritivas do plano Minas Consciente é necessária, uma vez que o sistema de Saúde precisa restabelecer sua capacidade assistencial à população. A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) estima que os resultados do isolamento aparecerão com, no mínimo 14 dias de onda roxa nos municípios mineiros.

As medidas são reavaliadas a cada sete dias pelo Comitê, levando em consideração alguns indicadores, como taxa de óbitos, número casos e ocupação de leitos. Na próxima quarta-feira (31/3), o grupo se reunirá para decidir as orientações a serem seguidas após o feriado da Páscoa.
“Ficou decidido hoje que o Estado vai prolongar até o domingo de Páscoa a onda roxa. Iremos prolongar os 15 dias já estabelecidos previamente para que a gente garanta que a incidência do estado caia e menos pacientes fiquem esperando por leitos nos hospitais”, disse o secretário de Estado de Saúde, e médico Fábio Baccheretti.  
Outro dado que tem gerado preocupação no Comitê é a superlotação das UTI’s, 12 das 14 macrorregiões mineiras têm hoje mais de 90% dos leitos de UTI exclusivo Covid ocupados. O aumento da incidência da doença em cidades com menos de 30 mil habitantes, também tem gerado preocupações. Atualmente são apenas 141 municípios desse porte com menos de 50 casos a cada 100 mil habitantes nos últimos 14 dias. Em outros momentos da pandemia esse número foi superior a 600 cidades.